O Big Data, termo bastante mencionado nos dias de hoje, descreve o imenso volume de dados que impacta os negócios. Ao acessar tais dados, as empresas podem obter insights para tomar melhores decisões para seu negócio. Com o aumento na variedade, volume e velocidade dos dados, em 2018 algumas tecnologias de Big Data serão tendência dentro das empresas.

Confira as principais tendências de Big Data para 2018:

Análise preditiva: permite melhoras na performance do negócio, através da otimização, descoberta, avaliação e implantação de modelos preditivos.

Tecnologia cognitiva: as tecnologias cognitivas automatizam as atividades realizadas pelo ser humano, como a escrita e o reconhecimento facial. A tecnologia também busca atender os aspectos intelectuais do raciocínio humano, a capacidade de conceptualização e de aprendizado, buscando realizar atividades que antes precisariam de intervenção humana.

Maior impacto em IoT: as empresas estão investindo cada vez mais tempo e capital em Internet das Coisas, uma vez que beneficia tanto as empresas quanto os próprios cliente.

Knowledge e pesquisa: ferramentas e tecnologias de busca ajudarão a identificar informações dentro do conjunto de dados, o que economiza tempo e facilita o que já é feito.

Machine learning mais precisa: espera-se que as máquinas sejam capazes de analisar enormes volumes e processar dados complicados em um ritmo bem mais rápido e com maior precisão. A aprendizagem de máquinas pode potencializar o desempenho de um negócio, permitindo detecção de fraudes, análise de dados e propaganda em tempo real, por exemplo.

Cyber Security: será mais difícil para os “spammers” romperem com algum código de segurança, uma vez que as tecnologias serão aprimoradas para proteger dados de maneira ainda mais eficiente.

Virtualização de dados: tal tecnologia ajuda a produzir informações de várias fontes de dados, além de utilizar o armazenamento de dados distribuídos em tempo real.

Qualidade de dados: está relacionada com produtos que fazem limpeza de dados, além do enriquecimento de conjuntos de dados gigantes e de maior velocidade.

Dark Data Disclosure: o termo dark data refere-se à dados que não foram digitalizados, uma vez que antes do início da digitalização eles eram mantidos manualmente. A expectativa é que tais dados, com a improvisação do Big Data, sejam levados em consideração e recuperados, o que ajudará a entender melhor as previsões.

Integração de dados: os dados são compostos em várias soluções, buscando oferecer bancos de dados simplificados e eficientes.